terça, 21 junho 2016 11:10

Operação 4.0.1 - Investimentos em Produtos Florestais Identificados como Agrícolas

Beneficiários: PME, as organizações de produtores florestais (OPF) e as organizações ou agrupamentos de comercialização de produtos da floresta (OPCF) que se dediquem à colheita, comercialização e primeira transformação da cortiça, da pinha e do pinhão

Os beneficiários devem apresentar autonomia financeira (AF) pré –projeto igual ou superior a 20 % no ano anterior ao da candidatura ou, caso não tenha exercido atividade até à data da candidatura, suportar com capitais próprios pelo menos 25 % do custo total do investimento elegível

Tipologias de investimento

a) Extração ou colheita, triagem, recolha, concentração e transporte da cortiça, da pinha, do pinhão;

b) Primeira transformação da cortiça, da pinha, do pinhão.

Limites ao investimento:

    • Mínimo: 25.000€
    • Máximo: 4.000.000€

Apoios

    • Subsídio não reembolsável até um limite de montante de apoio de 1.000.000€;
    • Subsídio reembolsável no que exceder o montante não reembolsável.
      • com dois anos de carência, sendo amortizado no prazo máximo de cinco anos a contar de cada pagamento efetuado

Taxas de Apoio:

    • Taxa base: 30%
    • Majorações:
      1. Regiões menos desenvolvidas – 10 p.p.
      2. Organizações Comerciais de Produtores ou beneficiário pertencente a OCPF – 10p.p. (não acumulável com nº 3)
      3. Apoio à Certificação da cadeia de responsabilidade ou de custódia – 10p.p. (não acumulável com nº 2)
    • Taxas máximas:
      • Regiões menos desenvolvidas – 50%
      • Outras regiões: 40%

Despesas elegíveis

    • Extração, recolha e concentração da cortiça, da pinha e do pinhão:
      1. Máquinas e equipamentos para descortiçamento e falquejamento.
      2. Máquinas e equipamentos que contribuam para modernizar e racionalizar operações de pós -colheita da cortiça anteriores à sua retirada do mato.
      3. Criação, em zonas de produção, de instalações de receção de cortiça em bruto.
      4. Máquinas e equipamentos com a finalidade de obter, para efeitos da transação comercial, uma melhor caracterização tecnológica e quantitativa da cortiça em bruto ou sujeita a uma primeira transformação industrial.
      5. Máquinas e equipamentos com a finalidade de colheita da pinha.
      6. Custos relativos à obtenção de certificação da cadeia de responsabilidade/custódia ao nível do beneficiário, tais como:
        • Aquisição de serviços de consultoria para a implementação da norma de cadeia de responsabilidade/custódia ao nível da empresa de extração e transporte;
        • Custos com a obtenção do certificado de Cadeia de Responsabilidade/custódia por «Organismos de Certificação» acreditados.
    • Primeira transformação da cortiça, da pinha e do pinhão
      1. Edifícios — construção, aquisição (incluindo a locação financeira) ou melhoramento, até 10 % do custo total elegível aprovado das restantes despesas designadamente:
        • Vedação e preparação de terrenos;
        • Edifícios e outras construções diretamente ligados às atividades a desenvolver, incluindo vias de acesso, quando servirem e se localizarem junto da unidade e forem da exclusiva titularidade do beneficiário;
        • Adaptação de instalações existentes relacionada com a execução do investimento;
        • Edifícios e outras construções afetos a investimentos para a valorização de subprodutos e resíduos.
      2.  Máquinas e equipamentos novos, incluindo equipamentos informáticos, equipamentos de telecomunicações e de laboratório.
      3. Equipamentos de transporte interno e de movimentação de cargas, caixas e paletas com duração de vida superior a um ano.
      4. Equipamentos de controlo da qualidade.
      5. Moinhos trituradores, tararas ou crivos, tremonhas de receção e «Cyclone» pneumáticos, no caso de unidades de transformação de pinhão negro.
      6. Equipamentos não diretamente produtivos, nomeadamente equipamentos visando a valorização dos subprodutos e resíduos destinados à valorização energética e equipamentos de controlo de qualidade.
      7. Automatização de equipamentos já existentes e utilizados há mais de dois anos.
      8. Equipamentos sociais obrigatórios por determinação da lei.
      9. Custos relativos à obtenção de certificação da cadeia de responsabilidade/custódia ao nível do beneficiário, tais como:
        • Aquisição de serviços de consultoria para a implementação da norma de cadeia de responsabilidade/custódia ao nível da unidade de transformação;
        • Custos com a obtenção do certificado de Cadeia de Responsabilidade/custódia por «Organismos de Certificação» acreditados.

              10. Infraestruturas e equipamentos para produção de energias renováveis, desde que, pelo menos, 70 % da energia produzida se destine ao                           autoconsumo.

    • Todas as tipologias
      1. As despesas gerais, nomeadamente no domínio da eficiência energética e energias renováveis, software aplicacional, propriedade industrial, diagnósticos, auditorias, planos de marketing e branding e estudos de viabilidade, acompanhamento, projetos de arquitetura e engenharia associados aos investimentos, até 5 % do custo total elegível aprovado das restantes despesas.

Menu Incentivos