SIFIDE

Incentivos > Incentivos Fiscais > Código Fiscal ao Investimento > SIFIDE

O SIFIDE permite obter um incentivo fiscal quando as empresas investem em investigação e desenvolvimento.

Os sujeitos passivos de IRC residentes em território português que exerçam, a título principal ou não, uma atividade de natureza agrícola, industrial, comercial e de serviços e os não residentes com estabelecimento estável nesse território podem deduzir ao montante da coleta, e até à sua concorrência, o valor correspondente às despesas com investigação e desenvolvimento, na parte que não tenha sido objeto de comparticipação financeira do Estado a fundo perdido, realizadas nos períodos de tributação de 1 de Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2020, numa dupla percentagem:

  1. Taxa de base — 32,5% das despesas realizadas naquele período;
  2. Taxa incremental — 50% do acréscimo das despesas realizadas naquele período em relação à média aritmética simples dos dois exercícios anteriores, até ao limite de € 1 500 000.

Para as PME que ainda não completaram dois exercícios e que não beneficiaram desta taxa incremental, aplica-se uma majoração de 15% à taxa base.

As despesas que, por insuficiência de coleta, não possam ser deduzidas no exercício em que foram realizadas podem ser deduzidas até ao oitavo exercício seguinte.

Esta dedução não é acumulável, relativamente ao mesmo investimento, com benefícios fiscais da mesma natureza.

 

Despesas elegíveis

Consideram‐se dedutíveis, desde que se refiram a atividades de I&D, as seguintes categorias de despesas:

  1. Aquisições de ativos fixos tangíveis, à exceção de edifícios e terrenos, desde que criados ou adquiridos em estado novo e na proporção da sua afetação à realização de atividades de I&D;
  2. Despesas com pessoal com habilitações literárias mínimas de nível 4, diretamente envolvido em tarefas de I&D – despesas com pessoal com, pelo menos, nível 8 são consideradas em 120%;
  3. Despesas com a participação de dirigentes e quadros na gestão de instituições de I&D;
  4. Despesas de funcionamento, até ao máximo de 55% das despesas com o pessoal com habilitações literárias mínimas de nível 4, diretamente envolvido em tarefas de I&D, contabilizadas a título de remunerações, ordenados ou salários, respeitantes ao exercício;
  5. Despesas relativas à contratação de atividades de I&D junto de entidades públicas ou beneficiárias do estatuto de utilidade pública ou de entidades cuja idoneidade em matéria de investigação e desenvolvimento seja reconhecida por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da economia, da inovação, da ciência, da tecnologia e do ensino superior – não são consideradas quaisquer despesas incorridas no âmbito de projetos realizados exclusivamente por conta de terceiros, nomeadamente através de contratos e prestação de serviços de I&D;
  6. Participação no capital de instituições de I&D e contributos para fundos de investimentos, públicos ou privados, destinados a financiar empresas dedicadas sobretudo a I&D, incluindo o financiamento da valorização dos seus resultados, cuja idoneidade em matéria de investigação e desenvolvimento seja reconhecida por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da economia, da inovação, da ciência, da tecnologia e do ensino superior;
  7. Custos com registo e manutenção de patentes;
  8. Despesas com a aquisição de patentes que sejam predominantemente destinadas à realização de atividades de I&D – apenas PME;
  9. Despesas com auditorias à I&D;
  10. Despesas com ações de demonstração que decorram de projetos de I&D apoiados – apenas se previamente comunicadas.

 

Condições

Apenas podem beneficiar deste incentivo fiscal os sujeitos passivos de IRC que preencham cumulativamente as seguintes condições:

  1. O seu lucro tributável não seja determinado por métodos indiretos;
  2. Não sejam devedores ao Estado e à segurança social de quaisquer impostos ou contribuições, ou tenham o seu pagamento devidamente assegurado.