Diversificação de atividades em explorações agrícolas

Tenho um terreno de família onde construí uma casa. Ao lado existe um antigo estábulo, que tem servido de arrumos nos últimos 10 anos, pois há mais de 15 que não é ocupado por animais. Ouvi na televisão que o Covid-19 impulsionou a procura pelo turismo rural e lembrei-me que este antigo estábulo poderia, com algumas obras, ser transformado num T1 bastante cómodo e atrativo para os turistas, por ter vista para o pomar e poder ser criada um caminho direto da estrada até à entrada do estábulo.

Existe algum programa de apoio ao turismo rural de que possa usufruir? Continue reading “Diversificação de atividades em explorações agrícolas”

Inovação na baixa densidade

Somos uma empresa de fabrico de embalagens, quer de papel, quer de plástico, localizada em Soure e pretendemos ampliar as nossas instalações ou abrir uma nova unidade industrial neste concelho, uma vez que a pandemia Covid-19 originou um grande aumento de encomendas devido às acrescidas necessidades de embalagens para entregas ao domicílio e take-away.

Podemos candidatar-nos a algum programa de apoio? Continue reading “Inovação na baixa densidade”

Programa ADAPTAR

Sou dono de uma loja de roupa infantil, que emprega 2 funcionárias, e já realizei uma série de investimentos para cumprir as regras que me permitem reabrir o estabelecimento ao público. Vi na televisão que foram criados apoios para as empresas que tiveram de se adaptar a estas novas regras. Será que me posso candidatar? Que tipo de investimentos são apoiados? Quanto posso receber de apoio? Continue reading “Programa ADAPTAR”

Acelerador de exportações

Tenho uma fábrica que produz EPI (Equipamentos de Proteção Individual) e devido à COVID-19 a procura aumentou. Pretendo aproveitar esta situação para aumentar as minhas exportações. Existe algum apoio?

Resposta:

O concurso do SI Internacionalização das PME, na vertente “Acelerador de exportações”, iria terminar no próximo dia 20, mas foi prorrogado até 08 de junho de 2020.

Esta prioridade tem como condições de acesso específicas:

  • Apresentar um Volume de Negócios Internacional em 2018 igual ou superior a 20.000€;
  • Apresentar uma Taxa de Exportação em 2018 igual ou superior a 15%;
  • Exceção: projetos da região do Algarve, onde só são exigidas exportações em 2018 no caso do setor do turismo.

As tipologias de investimento elegíveis são:

  • O conhecimento dos mercados externos (participação em feiras e exposições internacionais);
  • A presença na web, através da economia digital;
  • O desenvolvimento e promoção internacional de marcas (ações de promoção);
  • A prospeção e presença em mercados internacionais;
  • O marketing internacional;
  • A introdução de novos métodos de organização nas práticas comerciais ou nas relações externas;
  • As certificações específicas para os mercados externos.

É elegível a contratação de até 2 técnicos com uma qualificação mínima correspondente a licenciatura e com competências específicas na área da internacionalização, na medida em que forem utilizados no projeto e durante a sua execução, com um máximo de 24 meses. O salário base mensal máximo elegível é de 1850€. Também são elegíveis as respetivas contribuições para a Segurança Social.

No âmbito das ações de prospeção e ações de promoção são elegíveis despesas com alojamento e deslocação, com os seguintes limites:

  • Dentro da Europa – 1.500€;
  • Fora da Europa – 3.000€.

As ações de prospeção encontram-se limitadas a 4 ações por mercado/país e por ano.
Também a participação em feiras e exposições internacionais apresentam limites de elegibilidade no que toca às despesas de alojamento e deslocação:

  • Dentro da Europa – deslocação: 700€; alojamento: 250€ por cada dia de feira acrescido de 2 dias;
  • Fora da Europa – deslocação: 1.600€; alojamento: 250€ por cada dia de feira acrescido de 2 dias.

Não são elegíveis despesas relativas a custos normais de funcionamento, manutenção ou substituição, fees, comissões sobre vendas, entre outros.

O investimento mínimo elegível é de 25.000€.

O apoio a fundo perdido corresponde a 45% do investimento elegível (apenas 40% para projetos da região de Lisboa).

Os projetos devem apresentar inovação de marketing e/ou organizacional.

As empresas candidatar devem possuir estatuto PME, certificado pelo IAPMEI.